Saturday, May 21, 2005

Metapoema

Assim como os grandes literatos
e poetas,
faço poemas. Prosaicos ou herméticos,
são poemas.
E, como é inerente às torres de papel-marfim,
faço agora este poema. Não é bem um poema:
é um metapoema.
Celebro agora o ato nobre da criação,
de toda a incubação literária. Não
é só aconchego e lirismo:
é adultério.
Há também campos, impaciência e desassossego
barbarismos, feiúras e Barbarei
solecismos, redundâncias, cataclismos
prolixidade, pleonasmos e repetições
mintiras, disgraças e porres
ruas e bordéis.
Há ostentação deliberada e cavalheiresca
de palhaços buliçosos brincando em andaimes.
É como fingir ser catador de papel e lata.
Juntar tudo o que o povo não quer
e não sabe,
separar a lata do papel,
botar num saco de plástico
e vender
ao dono da sucata.

2 Comments:

At 4:24 PM, Blogger pedro roney said...

Moderno, meu caro Afonso, moderno. Quase um Manuel Bandeira, o dominador supremo dos vesos livres, quase um Bandeira! Será que a tal moçoila de tendências modernistas é influente nessa atitude?

 
At 9:36 PM, Anonymous scila said...

oi oi, bom eu gostei do seu poema, apesar de eu ter ler 2 vezes pra entender u.u' , mas tah bonito, BEM melhores q os meus!
bjaum ;*,

 

Post a Comment

<< Home